Seja bem vindo ao nosso site Radio Nossa A minha, a sua, a rádio que é nossa.!

Buscar  
Brasil

O nome de Gal Costa é música, enfatiza filme estrelado por Sophie Charlotte

Cinebiografia de Dandara Ferreira e Lô Politi reconstitui de forma crível a gênese e a consolidação da cantora entre 1966 e 1971.

Publicada em 10/10/2023 às 16:38h

Link da Notícia:
Compartilhe
   

O nome de Gal Costa é música, enfatiza filme estrelado por Sophie Charlotte

 “Meu negócio é a música”, enfatiza Gal Costa, já irritada, para repórter que insistia em arrancar declarações da cantora sobre amor e sexo. Passada em 1968, a cena do filme Meu nome é Gal diz muito sobre Maria da Graça Costa Penna Burgos (26 de setembro de 1945 – 9 de novembro de 2022) e também sobre a cinebiografia estrelada por Sophie Charlotte sob direção de Dandara Ferreira e Lô Politi.

Apresentado pela primeira vez ao público carioca na noite de ontem, 7 de outubro, como hors concours da mostra Premiére Brasil da 25ª edição do Festival do Rio, Meu nome é Gal é filme sobre música para quem gosta de música e especialmente da voz imortal de Gal.

Ainda que o endurecimento da repressão a partir de 1968 imprima certa tensão dramática na segunda metade do roteiro, a narrativa do filme se desenvolve cronologicamente sem grandes sobressaltos ao mostrar a gênese e a consolidação de Gal Costa como cantora no período que vai de 1966 – ano em que a tímida Gracinha se mudou para a cidade do Rio de Janeiro (RJ), vinda da Bahia, como cantara no samba de Gilberto Gil que gravara para single editado em 1965 – a 1971, ano do emblemático show originalmente intitulado Gal a todo vapor.

As viradas são estéticas. Ao longo desses cinco anos, o filme mostra como Gracinha virou Gal Costa, cumprindo o destino da menina que, na Salvador (BA) natal, punha a cabeça dentro da panela para experimentar as possibilidades da voz ainda em processo de crescimento.

Na pele de Gal, a atriz Sophie Charlotte brilha da primeira à última cena, cantando bem músicas como a doce Fruta Gogoia (tema do folclore baiano revitalizado por Gal no show de 1971). Feita a ressalva de que a voz de Gal era / é única e inigualável, como fica claro quando Sophie interpreta (bem) o rock tropicalista Divino maravilhoso (Caetano Veloso e Gilberto Gil, 1968) e o samba Meu nome é Gal (Roberto Carlos e Erasmo Carlos, 1969), pode-se dizer que a atriz vive Gal com toda credibilidade.

Da mesma forma que soam críveis as personificações de Caetano Veloso e Gilberto Gil pelos atores Rodrigo Lelis e Dan Ferreira, respectivamente, sendo que Caetano figura como coprotagonista no roteiro, em papel compatível com a importância fundamental do artista na trajetória de Gal, sobretudo nessa fase inicial em que, da cantora devota de são João Gilberto (1931 – 2019), a baiana se transformou na musa tropicalista do canto exteriorizado de músicas gravadas com guitarras.










Videos
Setembro, novo EP de Fael.
Ana Castela ft. @GustavoMioto
04/10/2023Oficina G3 - Incondicional
Nossos parceiros
Banner Lateral 01
Banner Lateral 02
Banner Lateral 03
Banner Lateral 04
Top Música
1
Luan SantanaEscreve Aí
2
Avioes do ForróFiquei Sabendo
3
Jorge e MateusNocaute
4
DanielSó o amor
5
Henrique e JulianoDeixa ela saber
Parceiros
Parceiro 01Parceiro 02Parceiro 03

Copyright (c) 2024 - Radio Nossa - Todos os direitos reservados
É da rádio? Fale com a gente pelo Whatsapp!
site, tv, videos, video, radio online, radio, radio ao vivo, internet radio, webradio, online radio, ao vivo, musica, shows, top 10, music, entretenimento, lazer, áudio, rádio, música, promocoes, canais, noticias, Streaming, Enquetes, Noticias, mp3, Blog, Eventos, Propaganda, Anuncie, Computador, Diversão e Arte, Internet, Jogos, R�dios e TVs, Tempo e Trânsito, �ltimas Notícias, informação, notícia, cultura, entretenimento, lazer, opinião, análise, jogos, Bandas, Banda, Novos Talentos, televisão, arte, som, Rádio E TV, Propaganda, Entretenimento, Webradio, CD